• Home
  • Curiosidades
  • "Glitch" na Matriz, ou erro na fotografia computacional do iPhone?
"Glitch" na Matriz, ou erro na fotografia computacional do iPhone?
Gonçalo Antunes de Oliveira

"Glitch" na Matriz, ou erro na fotografia computacional do iPhone?

PUB

Há uma fotografia que tomou de assalto o universo das redes sociais. Ou deveria dizer o multiverso? Um belo dia no Reino Unido, a atriz e comediante Tessa Coates decidiu ir experimentar um vestido de noiva a uma loja, e pedir que a fotografassem.

Até aí nada de transcendental. Mas a bizarria despontou a partir do momento em que ela foi ver a fotografia no seu iPhone: para seu total espanto, e nas suas próprias palavras, "o tecido da realidade ruiu".

Naquela fotografia, quais portais, existiam três Tessa Coates. Ora repara: se olhares só para esquerda, à primeira vista nem ligas. Mas olha para a direita.

Fantástico! A que Tessa Coates real tem o braço direito dobrado e o esquerdo estendido. A que está à sua frente, tem ambos os braços dobrados. E a que está à sua esquerda, ambos os braços estendidos.

Convém dizer que esta fotografia não foi adulterada com Photoshop posteriormente. Foi literalmente o que resultou de um simples click no obturador do iPhone.

Como aconteceu isto?

Pois é, como todos sabemos, o iPhone tem uma funcionalidade chamada Photonic Engine, a partir da qual, milhares de cálculos por segundo compõe a melhor fotografia possível, face às condições do contexto em que foi tirada. Trata-se daquilo a que comummente se designa por fotografia computacional.

O mesmo é dizer que, graças aos portentosos processadores dos iPhone, um sem número de algoritmos, a velocidades estonteantes, luta contra condições de fraca luminosidade, para te garantir uma captação exemplar do momento que pretendes captar.

Ora, não estando a par deste tipo de tecnologia, Tessa Coates publicou um post no seu Instagram e deslocou-se posteriormente a uma Apple Store, onde um técnico chamado Roger lhe explicou que o iPhone não tira apenas uma fotografia.

Num curto espaço de tempo, o dispositivo capta várias fotografias, criando uma composição final com as melhores partes de cada uma . O problema é que o iPhone ainda não terá uma velocidade tão estonteante quanto a necessária para cumprir este desígnio com excelência.

No momento em que o obturador foi clicado, Tessa mexeu os braços, fazendo com que a Inteligência Artificial combinasse vários instantes, de que resultou uma fotografia que mais parece um conjunto de portais do multiverso!

Uma fotografia num milhão, assim a apelidaram. E com razão. É caso para dizer que as coisas podem não ser bem o que parecem. Será que apesar de todas estas explicações, ainda assim talvez estejamos todos a viver de facto numa Matriz? Então, que o Neo nos salve. Bem precisamos!

Gonçalo Antunes de Oliveira profile image Gonçalo Antunes de Oliveira
Publicado a
Curiosidades