Durante vários meses falou-se que a Apple estava a preparar uma nova aposta para o mercado dos gama-média, algo para suceder o muito adorado iPhone SE de primeira geração. Muita gente comprou e amou usar esse telefone pelo seu tamanho compacto, desempenho e câmara de topo. A receita do novo SE 2020 foi a mesma.

Trazer para o mercado a experiência básica do iPhone, com um desempenho de topo, câmara excepcional, software estável e preço convidativo. Claro que, para chegar a esta receita, a Apple teve de fazer compromissos e nesta review vamos abordar especialmente os destaques deste modelo. Para quem é este iPhone SE 2020? Em que tipo de caracteristicas ele se assemelha aos flagships? Tudo isto e muito mais será respondido nesta review!

Design reutilizado... Foi a escolha acertada?

Começo pelo elefante na sala. O design datado e reutilizado dos modelos da série 6, 7 e 8. Ao olhares para este iPhone vais dizer-me logo: "Isto é um iPhone novo? Não é o iPhone 8?". O design é igual ao iPhone 8, com excepção da escolha de cores do modelo que chega em preto, branco e vermelho. Note-se que o modelo branco traz a novidade de descartar a frente branca e adoptar uma frente preta que o torna mais elegante. Tal como o logotipo da Apple centrado na traseira, que vai de encontro àquilo que eles também fizeram com os seus topos de gama.

As bezels do ecrã são bem grandes para um equipamento de 2020, e quando as comparas com os gama-média concorrentes, com aqueles ecrãs lindos OLED de ponta a ponta, sentes uma inveja desgraçada... Ah e sim, o telefone tem um ecrã LCD, apesar de com boas cores e com impressionantes níveis de contraste.

Se foi ou não uma escolha acertada reutilizar o design pela quinta vez num equipamento, é uma boa questão. A Apple preferiu atualizar o básico do iPhone e poupar umas coroas no R&D, montagem e design do equipamento. Com isso trá-lo por uns apelativos 399$ (nos Estados Unidos) que aqui em Portugal tornam-se uns já pesaditos 499€.

Desempenho de topo aliado a uma câmara atualizada

É no interior que o iPhone SE 2020 brilha. Mais precisamente ao nível do processador. Aqui encontramos o mesmo "coração" da série iPhone 11, ou seja, o todo poderoso chip A13 Bionic. Este novo chip possibilita que o iPhone SE rode o sistema operativo e todas as tuas apps e jogos, com fluidez e rapidez, caracteristica reconhecida no iPhone.

Não é surpresa para ninguem que os processadores da Apple são muito bons. Por isso nem vale a pena perder muito tempo nesta questão. O desempenho é fantástico, porém o A13 Bionic faz muito mais que acelerar o desempenho e fluidez das apps e jogos. Aliás é na câmara que se notam as diferenças no processamento.

O módulo da câmara é o mesmo do iPhone 8, ou seja um sensor de 12MP com abertura de f/1,8, com 6 elementos óticos e estabilização ótica da imagem. O hardware é o mesmo, só que com o novo processador de imagem embutido no A13 Bionic junto com o software da câmara do iOS 13, a Apple consegue fazer magia pura e introduzir o modo retrato neste modelo. Note-se que o iPhone 8 de 4,7" (modelo antecessor deste) não suportava a funcionalidade. Só o 8 Plus por ter duas câmaras. E este modelo suporta modo retrato tanto na câmara traseira como na frontal, esta última de 7MP, mesmo sem ter os sensores TrueDepth que os telefones a seguir à série X vieram apetrechados.

Podes ver aqui em baixo a qualidade das selfies, que me pareceram bastante aceitáveis. Só tenho pena que não tenham atualizado para o mesmo sensor frontal do iPhone 11, para suportar as slofies e ter imagens de maior qualidade... Reparem que mesmo sem os sensores todos do Face ID, para mapeamento do rosto, o recorte ficou muito bem feito.

Perdemos aqui é a possibilidade de fazer retratos a animais e objetos, algo que já víamos no iPhone XR. E lamentavelmente neste modelo também perdemos o modo noite na câmara traseira, que muitos telefones na mesma faixa de preço oferecem, incluindo o Google Pixel 3a. Para mim era uma mais valia para qualquer utilizador. Lá tive eu de instalar uma app de terceiros para conseguir tirar umas boas fotos noturnas...

Quanto às fotos diurnas, o iPhone sai-se muito bem. Melhor que descrever deixo-vos uma galeria de imagens em baixo e acreditem que elas falam por si. Bons contrastes, boas cores, detalhe, são excelentes fotografias que vale a pena dar uma vista de olhos.

A nível do vídeo podes gravar até 4K 60fps. Para vídeo tens OIS super suave e que te produz conteúdo com a qualidade reconhecida do iPhone. Por este preço nenhum outro telefone te consegue oferecer uma funcionalidade de vídeo tão boa!

Autonomia

Falar numa bateria de 1821mAh e dizer que tem uma boa autonomia pode parecer quase impossível, mas é possível. Quer dizer, com alguns senãos...

Com a minha experiência de uso de quase dois meses, diria que aguenta um diazinho de utilização se não puxares muito por ele. A realidade é que não vais ter assim tanta vontade  de puxares por ele por causa do ecrã compacto de 4,7". Jogar ou consumir conteúdo Netflix num ecrã tão pequeno não é agradável... Serve e é muito bom para um uso ligeiro/moderado, contudo chega a ser claustrofóbico ao fim de uns bons minutos de uso. Isto claro, é uma opinião de quem gosta de telefones pequenos mas até se acostumou ao tamanho do iPhone XS/11.

Voltando à questão da bateria se não és daqueles que passa muito tempo agarrado ao telefone, esta pode ser uma boa opção até porque o processador tem uma influencia muito positiva na autonomia. Se fores menino para usar bastante e estás convencido que o processador te vai valer um milagre, desengana-te e leva a powerbank contigo que bem vais precisar dela a meio do dia.

Touch ID

O Touch ID é integrado no botão principal, como em todos os iPhones com a tecnologia.

Para muitos o regresso do Touch ID numa nova versão do iPhone é aquilo que realmente aguardavam neste iPhone. Ou porque é o suficiente para eles, ou porque preferem a tecnologia versus o reconhecimento facial dos topos de gama. Nada contra quem não gosta do Face ID, mas realmente há diversas vantagens nessa tecnologia. Não há nada mais intuitivo que pegar no telefone e ao olhar para ele ficar desbloqueado.

O Touch ID deste novo SE é o de segunda geração (o mesmo dos iPhones 6S/7 e 8), ou seja muito rápido e cumpre bem o seu papel de proteger o equipamento.

O SE preparado para uma longa vida

Este modelo de iPhone, mesmo que a metade do preço dos modelos flagship da Apple, vem apetrechado de tecnologias de ponta. Ele está preparado para uns bons anos de uso sem problema. O A13 Bionic poderia ser a estrela deste tópico, por causa da longevidade que lhe vai proporcionar a nível de atualizações e fluidez, mas também não posso ignorar o suporte a carregamento sem fios Qi, Bluetooth 5.0 e NFC para o Apple Pay. Já para não falar na certificação IP67 que significa resistência a salpicos, água e pó. A resistência à água é até 30 minutos à profundidade máxima de 1 metro.

Resistência à água comprovada.

Por exemplo, o Pixel 3a e grande parte dos modelos concorrentes na mesma faixa de preço, não têm nem carregamento sem fios, nem resistência à água e muito menos um processador de topo.

iOS 13 e o futuro a nível de updates de software

Na base da experiência do  SE 2020 temos o iOS 13, que não teve um bom ínicio em setembro de 2019, quando foi lançado. Ele tinha tudo para ser uma das, senão a, melhor versão do iOS lançada até hoje, aproveitando a base super estável do iOS 12 e implementando o modo escuro nativo que todos queríamos ter no iPhone. Mas não... O pandemónio do lançamento que eu senti num iPhone 11 e que me levou a devolver o modelo e ficar uns largos meses afastado do iPhone foi resolvido entretanto. Depois de várias iterações a Apple conseguiu amadurecer o software e torná-lo bem mais estável.

Provavelmente muita gente vai querer saber como é que será este novo iPhone SE a nível de updates. Não esperes menos de quatro anos de suporte a atualizações. Devido ao facto das entranhas serem quase as mesmas dos modelos flagship, iPhone 11 e 11 Pro. Conhecendo bem a Apple e aquilo que se sucedeu com o SE original (que ainda recebe updates do iOS 13 e que parece que ainda vai receber os updates do iOS 14) não é difícil de acreditar.

Veredito final

É evidente que este iPhone não é para todo o tipo de utilizadores. É para quem se satisfaz com a experiência básica do iPhone com botão principal. Agora elevada ao máximo com as entranhas atualizadas e que o preparam para o futuro.

Se não és Geek, ou seja, não te faz confusão umas bezels maiores, menos câmaras, o Touch ID no botão principal. Ou se queres ter um telefone compacto no bolso e se andas à procura de atualizar o teu 6S ou o iPhone SE original, não tenho dúvidas que este iPhone já te anda a piscar o olho desde que foi lançado.

Pode ter um design antiquado, ter poucas possibilidades a nível da câmara (por causa da falta da lente ultrawide ou da telefoto) mas aquilo que ele te oferece pelo preço de 499€ (na versão base de 64GB) é sem dúvida algo muito tentador.