A relação entre Apple e Epic Games já viu melhores dias e algo me diz que esta história ainda fará correr muita tinta. Tudo começou quando a empresa criadora do popular jogo Fortnite implementou um sistema de pagamento direto próprio que violava as diretrizes da Apple para a App Store. Em resposta, a marca da maçã retirou o Fortnite da sua loja de aplicações, o que levou a Epic Games a avançar com uma ação judicial contra a Apple, argumentando que a mesma tem "práticas monopolistas e abusivas".

Desde então, muito tem ocorrido entre estas duas empresas. O caso ainda não começou a ser julgado em tribunal, mas desde a semana passada que ambas as partes têm exposto a sua argumentação a público. Hoje, o canal de notícias noticiou que a Apple incluiu no processo 3 e-mails do CEO da Epic, Tim Sweeney, por estes poderem contradizer a argumentação usada pela Epic Games.

Sweeney defendeu desde o princípio que a intenção da Epic não seria a de conseguir um acordo especial para a sua empresa. Phil Schiller, o mais recente Apple Fellow, escreveu o seguinte:

A 30 de junho de 2020, o CEO da Epic, Tim Sweeney, escreveu um e-mail aos meus colegas e a mim no qual pedia um "complemento contratual" da Apple apenas para a Epic que iria fundamentalmente alterar a forma como a Epic disponibilizaria as suas aplicações na plataforma iOS da Apple.

A este testemunho, os advogados da Apple acrescentaram ainda que após a recusa por parte da Apple para tal acordo, a Epic decidiu avançar por conta própria, o que sabemos bem que despoletou esta "guerra aberta", na qual temos assistido ao processo judicial e campanha anti-Apple por parte da Epic.

O CEO da Epic Games acorreu ao Twitter para clarificar que as declarações da Apple podem ser enganosas. Para clarificar o seu ponto de vista, Tim Sweeney anexou uma cópia do e-mail enviado à Apple no qual descreve a sua esperança de que a Apple torne as condições especiais apresentadas disponíveis para todos os desenvolvedores. Podes ler o tweet e o e-mail anexado de seguida:

Atualmente, a Epic encontra-se a tentar através da justiça que o jogo Fortnite volte às plataformas da Apple, enquanto o caso é julgado. Como resposta a esta tentativa, a Apple afirma que o jogo poderá voltar à App Store e as contas de desenvolvedores da mesma não serão canceladas caso a Epic se disponibilize a atualizar o jogo de acordo com as normas da Apple. A tecnológica de Cupertino insinua que o comportamento da Epic é semelhante ao de um larápio ou ladrão, justificando com o seguinte argumento:

Se um desenvolvedor pode evitar o sistema de pagamentos [da App Store], é o mesmo que um consumidor deixar uma loja da Apple sem pagar pelo produto roubado: a Apple não é paga.

Até à data, nada muda. A Epic continua a fincar o pé, manifestando que não irá remover a opção de pagamento direto, enquanto a Apple afirma que só voltará a autorizar a entrada do jogo na App Store quando esta se encontrar em conformidade com as normas da mesma. Na próxima segunda feira, dia 24 de agosto, irá ocorrer uma audiência que determina se a remoção do Fortnite da App Store é legal, audiência essa que iremos acompanhar.

WordPress também se junta à "festa"...

Enquanto a batalha Apple-Epic se desenrola, surge agora mais um caso mediático envolvendo a Apple e as políticas da App Store, desta vez com o WordPress. O co-fundador da plataforma, Matt Mullenberg, afirmou ontem no Twitter que a Apple bloqueou as atualizações da aplicação na App Store por, alegadamente, a marca da maça exigir que o WordPress disponibilize venda de domínios e planos pagos dentro da aplicação, partilhando 30% da receita gerada por essas vendas.

Aqui gera-se toda uma nova polémica, já que o WordPress não vendeu nem tinha planeado vir a vender domínios e planos pagos através da aplicação para iOS. A ser verdade, o WordPress viu-se forçado a incluir um serviço que não fazia parte da aplicação iOS. Esta ação atraiu burburinho nas redes sociais, trazendo feedback de utilizadores e profissionais que mantêm os seus websites através do WordPress.

De acordo com o The Verge, Mullenberg tentou negociar com a Apple, oferecendo como alternativa o bloqueio de funções associadas aos planos pagos (obtidos através do website do WordPress). A tecnológica de Cupertino terá negado, sendo que Matt Mullenberg desistiu e comprometeu-se a incluir no prazo de 30 dias as compras in app. Após esta ação por parte do co-fundador do WordPress, a Apple terá disponibilizado a ultima atualização da aplicação iOS.

Estes casos ainda não chegaram ao fim e certamente veremos correr muita tinta. Consideras que a Apple está a adotar práticas abusivas de mercado? Qual achas que vai ser o desfecho destes processos? Partilha connosco na secção de comentários.