Até agora o iPhone tinha sido o único produto da Apple a usar a marca SE, abreviatura que ainda hoje não sabemos o que significa realmente... O que sabemos é que os dois iPhones SE lançados até agora, se tornaram em grandes sucessos de vendas, tanto em 2016, quando originalmente lançado, como agora na sua segunda versão lançada em plena pandemia de COVID-19.

E com excelentes resultados não há porque não aplicar a fórmula em outras linhas de produtos. E foi isso que a Apple fez recentemente com o Apple Watch. No evento de setembro "Time Flies" foram reveladas as suas novas apostas para o cada vez mais competitivo mercado de smartwatches e uma delas é o novo Watch SE.

Cerca de um mês depois de ter começado a usar o meu novo smartwatch da Apple estou pronto a passar-vos todas as opiniões que tenho sobre o modelo. Será básico demais? É um bom investimento, tendo em conta o preço demasiado próximo ao Series 6? Tudo isto e muito mais vais ver respondido neste artigo!

Antes de passar as minhas impressões sobre o Watch SE, quero deixar claro que o produto em análise foi comprado por mim, ou seja, um investimento meu, pelo que esta review não é de forma alguma patrocinada nem influenciada por qualquer marca. O modelo pelo qual optei foi mesmo o de 40mm, aconselhável para quem tal como eu tenha um pulso mais magro. Normalmente os Apple Watch de 44mm assentam melhor em pessoas com pulsos mais largos - o que não é o meu caso.

Apple Watch SE com bracelete Leather Link.

Começando pelos recursos de saúde, muito importantes no Apple Watch, vou ser honesto, tenho tudo desativado. Basicamente porque não acho que contribua para a minha saúde mental, visto que sou hipocondríaco e tinha a mania de com este tipo de gadgets andar sempre a controlar o ritmo cardíaco, etc. Por isso também optei por este modelo, que não tem o recurso de ECG e muito menos o novo oxímetro que podes encontrar no flagship Series 6.

Se a grande maioria das pessoas dá valor aos recursos de saúde? Pois claro que dá! Se são úteis, claro que são! Eu sou uma excepção à regra e deves ter isto em conta.

Evidentemente que acabo por beneficiar (mesmo que muito pouco) a nível da autonomia da bateria. Que após uma semana de uso já dá para perceber que é boa, mas ainda não o aceitável para este tipo de gadget vestível e que nos acompanha para todo o lado.

Sim, sou daqueles que acha que um smartwatch tem que ter uma autonomia de 3/4 dias. Que não tem este SE nem nenhum outro smartwatch com toda esta panóplia de recursos. O que faz com que ao final do teu dia tenhas de colocar o relógio à carga. Carga esta que poderia ser bem mais rápida. Uma bateria tão pequena demorar 1h/1h30 para carregar totalmente é inaceitável! Isso e a falta de carregamento Wireless Qi.

Já que estou em maré de falar nos contras, tenho a dizer que o ecrã deste Watch SE não é lá muito brilhante no exterior, ao contrário do que se sabe das reviews do Series 6.

O ecrã não é lá muito brilhante no exterior...

Tudo o resto é um regalo para a carteira! Sinto que fiz um excelente investimento. O essencial do Apple Watch, o que é realmente necessário num bom smartwatch está aqui, desde o ecrã OLED edge to edge, aos sensores de saúde, tracking de sono e um bom desempenho proporcionado por um dos recentes chips da Apple para o Apple Watch (o S5).

Se este SE é um conjunto básico demais? Não acho. Na hora de optar tens sempre que pesar o que vale realmente a pena e se prezas assim tanto os seus recursos de saúde, ou se o pretendes usar apenas para desporto e pouco mais, que é o uso que lhe pretendo dar.

Caso contrário o Series 5, entretanto descontinuado e que é mais completo a nível de funções de saúde e com o complemento do ecrã sempre ativo poderá ser uma boa compra também. Ou então estouras a barra e cais para um Series 6 que inclui um novo processador para o relógio e a adição do oxímetro.

Sei que para muita gente a pouca diferença de preços do Watch SE o torna menos apelativo que um iPhone SE para um iPhone 11. No Watch a diferença de preços é mínima - cerca de 100€. Se justifica ou não, cabe a cada um avaliar as suas necessidades e se vale ou não a pena todas as capacidades de saúde e mesmo o ecrã sempre ativo do relógio.