Apple MacBook Air M2 (2022): o iPad disfarçado de portátil

O MacBook Air é o mais popular Mac da Apple e agora conta com o mais recente chip M2. Testámos a nova versão de 2022 e aqui está a review.
Escrito por João Valente e
9 mins de leitura
MacBook Air M2: Review
MacBook Air M2: Review
Publicidade
Publicidade

O MacBook Air é o mais popular Mac da Apple e é também a solução ideal para quem procura um iPad, mas não gosta do seu formato para o dia a dia. Assim como o modelo com M1, a nova geração com M2 está entre os melhores portáteis que podes comprar na atualidade, com excelente portabilidade, longa duração de bateria e acima de tudo, muito desempenho!

Apresentado em junho de 2022 com o primeiro grande redesign desde 2008, o MacBook Air M2 tem dado que falar muito pela positiva, mas também pela negativa, devido a algumas escolhas por parte da Apple no que toca aos seus componentes internos.

Durante uma semana tive a oportunidade — a qual aproveito desde já para agradecer à iStore — para poder testar o modelo base do novo MacBook Air com um SoC M2 no seu coração. Assim, se consideras trocar o teu portátil atual (provavelmente ainda um Intel) por esta ou qualquer outra versão do MacBook Air M2, segue comigo neste artigo!

Especificações — os detalhes técnicos do MacBook Air M2

Antes de te contar sobre os detalhes da minha experiência com este MacBook Air M2, vou relembrar-te quais são as especificações do modelo que testei, que é nada mais do que o modelo de entrada desta gama.

  • Processador Apple M2 (CPU de 8 núcleo e GPU de 8 núcleos)
  • Ecrã de 13.6 polegadas e resolução de 2560 x 1664
  • Memória de 8GB de RAM
  • Armazenamento de 256GB
  • Carregamento através de MagSafe 3 ou USB-C
  • Conectividade através de 2 portas USB-C Thunderbolt 4, entrada de áudio de 3.5mm, Wi-Fi 6 (802.11ax) e Bluetooth 5.0
  • Teclado Magic Keyboard com Touch ID e teclas de função com tamanho regular
  • Câmara com resolução 1080p
  • Sistema de som de quatro colunas e três microfones
  • Dimensões de 11,3mm x 30,41cm x 21,5cm
  • Peso de 1,24kg
  • Preço base de 1 529€

O modelo pode ser configurado com um máximo de memória RAM até 24GB,  armazenamento até 2TB e um chip M2 com mais 2 núcleos de GPU (ao invés dos 8 da versão que testei). Além das especificações internas, poderás optar entre quatro cores:

  • Meia-noite (azul-escuro),
  • Luz das estrelas (dourado),
  • Cinzento sideral (cinzento escuro) e
  • Prateado.
A cor azul do MacBook Air M2 de 2022 encanta em qualquer superfície onde é colocado
A cor meia-noite do MacBook Air M2 de 2022 encanta em qualquer superfície onde é colocado

Contudo, e sendo honestos, as especificações são o menos interessante deste redesenhado MacBook Air lançado em meados de 2022, pois quem o tenciona comprar já sabe que, por este preço, será uma máquina que o irá certamente satisfazer (dentro da sua gama, claro).

Nota — Considerando que a esmagadora maioria dos consumidores não troca de portátil todos os anos e sendo eu um utilizador assíduo de um MacBook Pro 15'' de 2018 com Intel i5 e 8GB de RAM, esta review segue o ponto de vista de quem tem um portátil Apple anterior ao chip M1.

Primeiras impressões, um Mac que enche as vistas

A experiência de unboxing foi a típica de qualquer produto Apple. A empresa preocupa-se com a experiência desde o momento da compra até começarmos a utilizar os seus produtos. Este MacBook não foi exceção à regra.

Dentro da caixa encontramos um adaptador de corrente e um cabo USB-C para MagSafe da mesma cor que o MacBook. Neste caso o cabo era meio azulado com a ponta USB-C em branco.

A sensação de pegar neste Air redesenhado é indiscutivelmente agradável, proporcionada pela qualidade do alumínio que o constrói. Ao usá-lo, o ecrã é muito agradável aos olhos e as teclas do teclado têm a altura suficiente para que escrever nele seja confortável. Algo que também surpreendeu foi a qualidade da câmara (em comparação com modelos Intel) e a qualidade do som produzido pelos altifalantes inserido neste pequeno corpo. O seu tamanho não influencia em nada o som envolvente que produz com graves e agudos bem evidentes.

No meio desta experiência inicial, algo que saltou à vista e que foi um pouco impossível de ignorar, foram as impressões digitais no corpo em alumínio deste novíssimo MacBook Air M2 de 2022. Contudo, acredito que ao fim de algum tempo acabe por passar despercebido no dia a dia.

MacBook Air M2 em diferentes tipos de usos

Os números de benchmarks que se veem aos pontapés pela internet dizem muito sobre este redesenhado Air do ponto de vista técnico, mas é algo que poucos interessados neste produto tenham curiosidade em ver ou até em perceber.

Nesse sentido, optei por levar a minha experiência com o MacBook Air do ponto de vista do tipo de utilizador que de facto poderia colocar a compra deste produto em cima da mesa. Excluído desse grupo ficariam, na minha opinião, profissionais de imagem e de vídeo ou outros que necessitem de deixar o computador a queimar CPU a fazer cálculos complexos durante largos períodos de tempo. Isto porque acredito que nenhum deles irá sequer pôr em causa escolher este como o seu portátil de trabalho.

E-mails, Netflix, Safari e produtividade

Este é o uso que eu considero que a maior parte dos interessados neste Mac devem procurar. Possivelmente estudantes do secundário e universidade ou trabalhadores que desempenhem tarefas simples como pesquisar na Internet, escrever documentos Word, preparar apresentações no PowerPoint ou preencher simples folhas de cálculo do Excel.

Estas são tarefas que, além do utilizador comum, qualquer outro que necessite de um maior poder de processamento irá acabar por efetuar no seu dia a dia, mesmo que não todas. Escusado será dizer que o MacBook Air M2 suportou todas estas tarefas, em simultâneo, sem sequer parecer aquecer.

O MacBook Air M2 de 2022 é ideal para ser usado em qualquer lugar, até para consumir multimédia na cama
O MacBook Air M2 de 2022 é ideal para ser usado em qualquer lugar, até para consumir multimédia na cama

Neste ponto da minha utilização decidi mesmo reiniciar o MacBook e iniciar todas as apps de seguida e começar logo a trabalhar. Assim, abri o Safari, o Pages, o Numbers, as Notas, o Calendário, a App Store, o Messenger, o Mail e até as Definições! Surpresa, surpresa... Tudo aberto e carregado mal eu carreguei no ícone, sem aquecer e sem sequer sentir um pequeno atraso.

Fiquei fascinado e decidi (pensei eu) complicar a vida a este portátil que não tem sistema de arrefecimento ativo, e liguei-o a uma dock Elgato através de um cabo Thunderbolt 3 que, por sua vez, estava ligada a um monitor 4K e a um cabo de rede Ethernet. Continuei então o meu trabalho, mas desta vez com um segundo monitor.

Abri um episódio de uma séria na Netflix no Safari enquanto continuei a ler uns e-mails. É surpreendente como nem assim senti este MacBook Air a aquecer. Como assim este MacBook não aquece com um monitor 4K? Chegou altura de elevar a dificuldade.

Edição de imagem simples

Mantendo a configuração de 2 ecrãs (o do próprio MacBook e o externo 4K) e as aplicações que já tinha abertas, abri o Photoshop. Neste campo eu não sou um profissional, faço apenas umas "brincadeiras" de tempo a tempo, pelo que assumo que não tenha usado esta ferramenta de testes ao seu máximo.

Editei uma fotografia, alterando as cores, fazendo uns recortes e exportando para um ficheiro .PNG com qualidade máxima. Se eu aqui já esperava sentir o chip M2 a começar a transpirar, mais uma vez saí surpreendido e a temperatura estava sensivelmente idêntica à do meu corpo.

Como em grande parte dos meus dias costumo programar, decidi avançar um pouco na minha tentativa de deixar este portátil a aquecer.

Docker, desenvolvimento Web e programação esporádica

Instalei o Docker e o Visual Studio Code da Microsoft, contudo aqui não quero entrar em muitos detalhes técnicos. Se já utilizaste saberás certamente o potencial de cada uma destas ferramentas. Se nunca usaste, o necessário a saber é que o Visual Studio Code pode ser utilizado para editar ficheiros e escrever, compilar e correr código em diversas linguagens de programação. Por sua vez, o Docker é uma plataforma de software que permite construir, correr e gerir aplicações independentemente da máquina em si — a mesma aplicação Docker pode correr num Mac, num Windows ou num Linux.

Decidi correr alguns containers Docker e editar o tema web do iFeed e foi aqui que comecei, finalmente, a senti o MacBook Air M2 a aquecer. Apesar de tudo, e para meu espanto, nada comparado com o que estou habituado do meu MacBook com Intel i5, que por vezes aquece até quase derreter a pele das minhas pernas. No meio disto tudo, nem sequer o senti a encravar, abrandar ou a demonstrar qualquer problema em tratar das minhas tarefas todas acumuladas.

O MacBook Air M2 de 2022 é leve e prático de utilizar em qualquer lugar
O MacBook Air M2 de 2022 é leve e prático de utilizar em qualquer lugar

O fim dos testes

Findo todos, posso dizer sem sombras de dúvidas que o MacBook Air com chip M2 me surpreendeu pela positiva. Mas isto claro, tendo em conta que o meu "standard" de comparação é um MacBook com Intel i5 de 2018, ou seja, com 4 anos de idade. Ainda assim, acredito que haverão muitos utilizadores na mesma situação que eu e que estarão agora a ponderar fazer um upgrade para um Mac mais recente.

Apesar de tudo e, dadas as características desde portátil e o seu público alvo — todos os que precisam de pouco poder de processamento e portabilidade acima de tudo — esta é uma máquina que deixa qualquer consumidor feliz com a sua compra.

O MacBook Air M2 é para ti?

Se estás a questionar-te se este MacBook Air M2 é para ti, então deixa-me ajudar-te a refletir nesse tópico.

A portabilidade do MacBook Air M2 de 2022 é o seu ponto forte, aliado a longa duração da sua bateria
A portabilidade do MacBook Air M2 de 2022 é o seu ponto forte, aliado à longa duração da bateria

Bem, na verdade a resposta é muito simples. Se não fazes mais do que navegar na internet, ler e responder a alguns e-mails, escrever um ou outro documento ou preparar uma apresentação, então esta é a gama certa para ti. Aliás, com o chip M2 que este MacBook incorpora, poderás até atrever-te a fazer algumas tarefas mais pesadas desde que não por longos períodos de tempo.

O que ter em conta antes de comprar o MacBook Air de 2022?

Se já pensaste sobre o assunto e tens a certeza que este MacBook Air M2 é para ti e estás a tencionar comprá-lo, aproveito para te deixar uma breve informação para teres em conta no momento da compra.

A Apple tem uma linha de Macs muito diversificada que procura satisfazer qualquer tipo de utilizador. De entre todas as opções disponíveis, o modelo base é o MacBook Air.

Apesar de neste momento poderes encontrar dois modelos distintos do MacBook Air, a versão mais barata conta com um chip M1 — lançado em 2020 — e um design antigo — apresentado em 2018 — à venda por 1 229€ à data de redação deste artigo. A outra versão é a que eu estive a testar, com chip M2 e um novo design, ambos apresentados em 2022 e a um preço de 1 529€ - com 15% de desconto na iStore se fores estudante ou professor.

Basicamente, por uma diferença de 300€ consegues um computador visualmente mais atualizado e moderno, teclado, colunas, câmara e ecrã melhores e um pouco mais de poder de processamento.

Contudo, o modelo base do MacBook Air com M2, ou seja, o modelo de 256GB tem um pequeno "problema": é construído com apenas um chip de 256GB. Isto poderia não ser tópico nenhum, contudo, a arquitetura interna do MacBook torna mais lento este tipo de abordagem física. Ao contrário desta, a arquitetura utilizada noutras configurações de armazenamento contam com dois chips, permitindo melhor desempenho. Se vais notar isto no teu dia a dia? Provavelmente não. Ainda assim, e considerando que esta será uma troca que deverá durar alguns anos, é provável que dentro de um par de anos comeces a sentir o peso dessa escolha, mais cedo do que o modelo com qualquer outra configuração superior.

O ecrã do MacBook Air M2 de 2022 tem brilho suficiente para poder ser usado até junto à praia num dia de sol
O ecrã do MacBook Air M2 de 2022 tem brilho suficiente para poder ser usado até junto à praia num dia de sol

Dito isto tudo, ainda podes olhar para a linha Pro: por 1 629€ (mais 400€ do que a versão Air com design antigo e 100€ do que a versão com novo design), consegues um Mac também com M2, com sistema de arrefecimento ativo. A grande desvantagem deste modelo é ter o mesmo o problema de armazenamento do Air (na versão base), assim como o design antigo da linha Pro.

Resumo: o que há de bom e de mau MacBook Air de 2022?

Feitas as considerações gerais do renovado MacBook Air com chip M2, podemos resumir tudo o que há de excelente neste portátil e tudo o que há de menos bom e que é preciso ter em conta no momento da compra.

Onde o MacBook Air M2 brilha:

  • Design renovado, fino e leve
  • Bateria para um dia inteiro de uso
  • Excelente desempenho para as tarefas do dia a dia
  • Ecrã e webcam significativamente melhorados
  • Carregamento MagSafe é prático quando comparado com as portas USB-C
  • Portabilidade aumentada pelo facto de não ter sistema de arrefecimento ativo

Onde o MacBook Air M2 peca:

  • Mais caro do que a versão com design anterior (com chip M1)
  • Desempenho limitado e aquecimento exagerado quando se executam tarefas intensivas durante algum período de tempo
  • O notch do ecrã pode ser intrusivo na barra de menus
  • Maior lentidão na transferência de ficheiros no modelo base (com armazenamento de 256GB)
  • A cor meia-noite (ou azul, como preferires) fica facilmente coberta e manchada de impressões digitais
Publicidade
Publicidade
Partilhar artigo