Mark MacGann, denunciante da Uber na Web Summit

Mark MacGann divulgou mais de 124.000 documentos.
Escrito por André Fonseca e
1 min de leitura
Mark MacGann, denunciante da Uber na Web Summit
Publicidade
Publicidade

Depois de nos anos anteriores terem surgido nomes sonantes no mundo dos denunciantes, tais como: Frances Haugen em 2021, que denunciou documentos do Facebook, Edward Snowden em 2019, antigo operacional da NSA o qual divulgou o método de espionagem ilegal dos Estados Unidos perante a população.

Na edição deste ano contamos com a presença de Mark MacGann, o denunciante dos Uber Files.

Mark divulgou mais de 124.000 documentos ao The Guardian para demonstrar a má conduta e o mau funcionamento interno da multinacional.

O denunciante da Uber referiu que quando fez a divulgação dos documentos da Uber achava que não seria relevante nem do interesse do público.

Segundo ele, não sabia "se o conteúdo seria relevante, ou até se poderia haver interesse do público". O importante destas divulgações de ilegalidades era para que as pessoas ficassem cientes de que este tipo de serviços como a Uber, na sua perspectiva pessoal, precisavam de ter algum tipo de regulamentação. E os próprios clientes tinham de saber as condições a que os seus prestadores de serviços estavam expostos e sujeitos para garantirem as suas condições de trabalho.

No meio dos 124.000 documentos expostos seguiram também algumas mensagens de texto as quais demonstravam que a Uber durante muitos anos teve comportamentos ilegais. Desses comportamentos contabilizam-se o incentivo à violência entre taxistas.

Devemos um agradecimento muito especial à NordVPN pelo patrocínio da nossa cobertura na Web Summit.

Publicidade
Publicidade
Partilhar artigo