"Planeta Pré-Histórico" - uma viagem ao tempo dos dinossauros (Crítica)

E essa é uma experiência absolutamente espantosa!

Os oceanos são essenciais para a vida na Terra. Cobrem mais de 70% da superfície do planeta, regulam o clima e fornecem o oxigénio que necessitamos para viver. Albergam uma variedade extraordinária de vida, fundamental e indispensável para garantir a subsistência de milhões de pessoas em todo o mundo, que dependem do peixe como a sua principal fonte de proteína. Os oceanos acomodaram inúmeros animais marinhos ao longo dos tempos, tendo sido também o lar dos dinossauros, retratados agora no mais recente título da Apple TV+ intitulado Planeta Pré-Histórico.

Em Costas, o primeiro de cinco episódios, a narrativa foca-se no litoral, acompanhando a vida dos dinossauros no oceano e orlas costeiras. Os outros quatro episódios dedicam-se a outro tipo de regiões e espécies, conforme o nome de cada um deles indica (Desertos, Água Doce, Mundos de Gelo e Florestas). A série documental é narrada por David Attenborough, que ficou conhecido por narrar obras do género e, claro, por ser o irmão mais novo de Richard Attenborough, ator que deu vida ao personagem John Hammond nos filmes Parque Jurássico e O Mundo Perdido: Parque Jurássico.

Planeta Pré-Histórico casa os célebres documentários da BBC com a era dos dinossauros e proporciona-nos, em episódios nunca superiores a 45 minutos, momentos de grande deleite e admiração. Alguns elementos da empresa responsável pela conceção dos animais e dos seus habitats, Moving Picture Company, trabalharam em filmes como O Rei Leão, Homem-Aranha: Sem Volta Atráse Blade Runner 2049, tendo recorrido a tecnologia de última geração e a técnicas recentes de computação gráfica para permitir uma exploração fotorrealista da vida tal como era há 66 milhões de anos, dentro e fora de água.

A produção aproveita tudo o que já sabemos sobre os dinossauros para criar narrativas que prendam a atenção do espectador. É possível, por isso, vermos as criaturas extintas comportarem-se como animais, e não monstros, enquanto os progenitores protegem os seus filhos dos predadores ou os machos lutam pelos direitos territoriais e de acasalamento. A série conta ainda com a participação do realizador de Homem de Ferro, Jon Favreau, e de Hans Zimmer que empresta o seu talento na composição da banda sonora.

Para quem vir a série e tiver uma grande dificuldade em dissociar o gosto e pensamento de Parque Jurássico, Planeta Pré-Histórico oferece um vislumbre do comportamento dos dinossauros que não é normalmente exibido no ecrã. Podemos assistir, por exemplo, a um Tyrannosaurus Rex a nadar juntamente com jovens da mesma espécie ou ainda acompanhar uma luta competitiva entre dois pterossauros Barbaridactylos.

O espetáculo em Planeta Pré-Histórico é maravilhoso e a componente educativa contribui para essa sensação. No entanto, o título não está imune a alguns dos problemas que existem neste tipo de documentários. Embora a série prometa educar o espectador com base em informação atual e credível - possibilitada pela Unidade de História Natural da BBC -, é igualmente rápida a satisfazer os clichês dramáticos que compõem as séries deste género. Além disso, seria interessante ver este trabalho ser desenvolvido em temporadas futuras, que abordassem outros períodos históricos e novas espécies animais.

Em geral, trata-se de uma produção que renova o mérito de apresentar os dinossauros tal como eram ao espectador: não apenas como bestas gigantes dispostas a atacar, mas também como animais complexos que vaguearam pelo mundo e agiam de acordo com o seu instinto. É mais um triunfo da BBC que pode, desta vez, agradar aos subscritores da Apple TV+.

Nota: 8/10

Planeta Pré-Histórico (Prehistoric Planet – EUA / Reino Unido, 23 a 27 de maio de 2022)

Duração: cinco episódios

Showrunner: Jon Favreau

Realização: Adam Valdez, Andrew R. Jones

Argumento: Paul D. Stewart, Dom Walter, Paul Thompson, Simon Bell, Matthew Wright

Narração: David Attenborough