• Home
  • Reviews
  • Análise FIAT 500e Cabrio - A agridoce vida italiana
Análise FIAT 500e Cabrio - A agridoce vida italiana
Gonçalo Ribeiro

Análise FIAT 500e Cabrio - A agridoce vida italiana

PUB

O FIAT 500 não é só um ícone para a marca mas também um símbolo de pop culture, aquando do lançamento do “moderno” FIAT 500 em 2007, o mercado automóvel foi revolucionado com a chegada de novo do charme do pequeno italiano nas estradas de todo o mundo, e foi depois em 2020 que a FIAT deu um passo gigante ao apresentar a versão 100% elétrica do icónico 500, o 500e.

Nesta versão Cabrio, o 500e mostra-se ainda mais feito para a “dolce vita” italiana, um pequeno descapotável onde vamos de cabelos ao vento. Contudo a sua pequena bateria (mesmo a versão ensaiada tendo a bateria “grande”) deixa-nos um pouco ansiosos e o buraco na carteira do preço deste FIAT 500e faz-nos reconsiderar os passeios que queremos fazer.

FIAT 500e Cabrio

  • Motor 1 motor eléctrico
  • Potência 87 kW (118 cv)
  • Binário 220 Nm
  • Transmissão Tração à frente, Automática
  • Desempenho 9,0 s 0-100 km/h
  • Dimensões (CxLxA) 3.632 mm x 1.683 mm x 1.527 mm
  • Distância entre eixos 2.322 mm
  • Peso 1.405 kg
  • Mala 185-550 L (Atrás)
  • Bateria 42 kWh (37.3 kWh úteis)
  • Carregamento AC 11 kW + DC 85 kW (10-80% em 28 min)
  • Consumo combinado 13,0 kWh/100 km
  • Autonomia WLTP 320 km
  • Autonomia Real 265 km
  • Preço da versão ensaiada 38.500

Charme italiano

A eletrificação do FIAT 500e fez com que ele crescesse um pouco, estando cada vez mais longe do pequeno e charmoso carro italiano, passando assim a ser um carro com mais de 3 metros e meio e a pesar mais que 1 tonelada e meia. Mesmo assim as linhas originais estão cá e este FIAT 500e mantém uma influência indiscutível no seu avô de 1957.

Esta carroçaria Cabrio adiciona a possibilidade de andar de cabelos ao vento quando abrimos o tejadilho em lona, retirando um pouco o sentimento quase claustrofóbico de ir dentro deste 500e. Sim, eu sei que estamos a falar de um carro de segmento A, feito para a cidade, logo espaço exterior e interior nunca seriam os seus pontos fortes.

Nesta plataforma 100% elétrica e com uma distância entre eixos considerável esperávamos pelo menos uma melhoria no interior, mas os lugares atrás são para crianças ou adultos numa viagem muito curta. Sendo sinceros, viagens longas não é o mote deste 500e, já que os 185L de espaço e o portão zero prático fazem com que a mala nesta versão Cabrio sirva simplesmente para os cabos de carregamento e aquela mochila ocasional do ginásio.

No lugar do condutor, temos um volante confortável e um painel de instrumentos com a informação necessária, já todos os materiais a bordo desta versão base, que custa cerca de 38.500€, são bastante fracos, deste o material dos bancos que parece um tecido de fato de mergulho comprado no Bazarão do Continente até a todas as superfícies em que tocamos serem plásticos duros e que soam a barato. Efetivamente foi no interior que fizeram a maior poupança, contudo continuo sem perceber onde é que ela se reflete, pois com estes valores a qualidade interior é inadmissível.

Conduzir de cabelos ao vento

Quando faz um pouco de Sol sabe sempre bem abrir a característica capota em lona deste 500e e deixar os nossos cabelos esvoaçarem um bocado, dá-nos logo uma injeção de felicidade, e apesar deste FIAT 500e Cabrio ter sido feito para longos passeios à beira mar, qual app de encontros, onde ele se sente mais confortável é nas curvas e contra-curvas da cidade.

O tamanho exterior compacto, a bateria no chão a garantir um centro de gravidade baixo e o motor mais que suficiente para os arranques em semáforos, fazem deste pequeno elétrico um às da metrópole. Andar no trânsito, estacionar e conduzir por ruas estreitas são fáceis a bordo deste 500e.

A única falha, se lhe quisermos assim chamar, é que por ser electrificado a marca retirou-nos toda e qualquer possibilidade de uma condução mais divertida, já que todos os modos de condução (Normal, Range e Sherpa) estão calibrados pra maximizar a autonomia e traduzem-se simplesmente na intensidade que queremos na travagem regenerativa, indo de inexistente no modo Normal a extremamente forte no modo Sherpa. Por isso, sensatez e calma são as palavras para descrever a condução deste FIAT 500e.

Bateria feita para a cidade

Sendo um veículo talhado para a cidade, logicamente que a sua bateria vai ser talhada para a cidade, ou seja, pequena. Nesta versão que ensaiei com a bateria “grande”, ou seja, de 37.3 kWh úteis, temos uma autonomia real a rondar os 265 km, que são mais que suficiente para uma semana de voltinhas citadinas com uma condução muito controlada, pois os consumos variam entre 11 e 13 kWh /100 km, chegando aos 15 kWh se acelerarmos com mais força.

Mas nem tudo é mau em ter uma bateria pequena, já que recarregá-la é relativamente rápido, mesmo que no papel os 85 kW de carregamento rápido pareçam pouco estamos a falar 28 min dos 10% aos 80%, e numa situação real, conseguimos recuperar cerca de 30% em 15 minutos num carregador de 50 kW. Por muito que a autonomia seja curta, recarregar este 500e é fácil. Pode-se dizer que há males que vem por bem, mas uma bateria um pouco maior seria sempre bem vinda.

Tecnologia quanto baste

Claro que estamos a falar de uma versão base, mas mesmo nos dias de hoje e pelos valores que são pedidos, esperamos que uma versão base tenha alguma tecnologia tida como “necessária ser de série” e infelizmente neste FIAT 500e Cabrio essa não é a realidade.

Apesar de termos um ecrã central com uns respeitáveis 10,25”, nesta versão nem navegação temos, por isso saber até onde a nossa autonomia dá para ir está 100% ao encargo da pessoa não ter chumbado em aulas de matemática na escola e um conjunto de rezas para que a bateria chegue para a viagem pensada.

O formato muito horizontal do ecrã central faz com que tudo esteja um pouco compactado, ligando o CarPlay (sem fios) ficamos com uma moldura do sistema nativo do carro à volta, tornando tudo ainda mais pequeno. Um ponto negativo é que as marcas ainda não perceberam que uma posição horizontal não é de todo a mais prática para visualizar informação.

Fora este ecrã meramente de show off, o resto da tecnologia foca-se coisas básicas como Assistente à Faixa de Rodagem (que dispensamos), Cruise Control (do mais básico que pode existir) e Aviso de Choque Frontal Iminente (bastante nervoso pela minha experiência).

Prós e contras do FIAT 500e Cabrio

Prós

✅ Design exterior do carro

✅ Tamanho adequado à cidade

✅ Eficiência em cidade

Contras

⛔️ Preço premium com materiais fracos

⛔️ Modos de condução só focados em eficiência

⛔️ Espaço interior e da mala

Será a escolha certa?

Querem que seja direto? Não.

O FIAT 500 era divertido e mantinha aquele charme italiano para o dia-a-dia e a eletrificação veio retirar em parte isso. Perdemos liberdade com a autonomia que não é suficiente, tornou-se num luxo premium só acessível a alguns e esta versão Cabrio é interessante mas não necessária.

O FIAT 500e Cabrio não é um mau carro, mas está longe de ser a melhor opção no mercado, já que pelo mesmo valor ou valores muito próximos conseguimos carros de segmento acima, com mais autonomia, mais espaço e mais tecnologia. Chegará o dia em que as marcas centenárias aprendem que não é só espetar uma bateria e aumentar o preço em 20.000€ e está feito, carro elétrico, e até isso acontecer vamos continuar a ter estas propostas que prometem muito mas entregam pouco.

Gonçalo Ribeiro profile image Gonçalo Ribeiro
Publicado a
Reviews Carros Elétricos