Lisa Jackson na sessão de abertura da Web Summit 2022

Tendo Lisboa como plano de fundo, o primeiro dia da Web Summit 2022 contou com a presença da Vice-Presidente da Apple. Vamos ver o que teve ela para nos dizer.
6 mins de leitura
Lisa Jackson na sessão de abertura da Web Summit 2022
Publicidade
Publicidade

O primeiro dia do Web Summit 2022 foi brindado com uma tarde solarenga, um dos vários cartões de visita desta Lisboa à beira-mar plantada, onde, desde 2016, Paddy Cosgrave (CEO e fundador da Web Summit) decidiu assentar esta conferência de pedra e cal.

Como é expectável em qualquer reputado evento internacional, a sessão de abertura conta sempre com os pesos pesados das mais diversas esferas de influência em torno do mundo tecnológico, político e social.

Deste modo, para além de Paddy Cosgrave e dos anfitriões locais, o Presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas e o Ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, participaram nesta sessão de abertura a Editora de Tecnologia e Negócios do The Times, Katie Prescott, o CEO e co-fundador da Binance, Changpeng Zhao, o diretor e fundador do Southbank Centre / Culture3, Misan Harriman, a Vice-Presidente da Apple para o Ambiente, Política e Iniciativas Sociais, Lisa Jackson e, por último, mas não menos importante, a Primeira Dama da Ucrânia, Olena Zelenska.

A Web Summit é sinónimo de um fervilhante universo de ideias e inovação. Seria fantástico escrever sobre toda e cada uma destas intervenções, mas, no iFeed, concentramo-nos na esfera Apple, e por isso, como é evidente, vou dar, neste artigo, toda a atenção à sua Vice-Presidente, cuja pasta acarreta temas da maior relevância.

Mas, se já me vais conhecendo, antes de me debruçar sobre os assuntos abordados neste evento, vou-te dar algum contexto sobre a oradora.

Lisa Jackson

Reportando diretamente a Tim Cook, Lisa Jackson tem como responsabilidade a supervisão dos esforços da Apple no sentido de minimizar o seu impacto no ambiente. Com efeito, a preocupação da empresa da maçã no que respeita à utilização de energias renováveis e de materiais mais ecológicos, entre outras medidas, tem sido evidente nos últimos anos.

Fonte: Apple
Fonte: Apple

O website da Apple tem uma página interessantíssima dedicada a estas questões, que podes consultar aqui. Podes inclusivamente ler o Relatório de Progresso sobre o Ambiente deste ano, bastante elucidativo, e demonstrativo de que, por exemplo, não incluir transformador nos iPhone, não é só conversa. Esta, e outras medidas, têm, de facto, um drástico impacto na preservação do nosso ambiente.

Mas as responsabilidades de Lisa Jackson não se se esgotam no ambiente. Ela lidera também outras pastas da Apple, designadamente a Iniciativa de Justiça e Equidade Racial (centrada na educação, oportunidade económica, e reforma da justiça criminal), os programas de política educacional, o esforço dedicado à acessibilidade dos produtos, e as relações governamentais a nível mundial. Um conjunto complexo e notável de responsabilidades nesta gigante tecnológica.

Mas a sua competência para as gerir em nada surpreende: não é à toa que Jackson foi Administradora da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos entre 2009 e 2013.

Fonte: Harpersbazaar

Nomeada por Barack Obama, esta Mestre em Engenharia Química pela Universidade de Princeton, trabalhou arduamente na redução de gases com efeito de estufa, na proteção da qualidade do ar e da água, na prevenção da exposição à contaminação tóxica, e na intensificação do contacto com as comunidades sobre questões ambientais.

É, portanto, não apenas uma figura de grande relevo da Apple, como igualmente alguém que luta pelas mais nobres e prementes causas que o nosso planeta e sociedade enfrentam na atualidade.

Fonte: MacRumors

Vamos ver, então, o que disse Lisa Jackson nesta Web Summit 2022.

Ter um propósito

Os oradores acima referidos foram emparelhados, exceptuando a Primeira Dama da Ucrânia. Destes, surgiram dois paineis interessantíssimos, tendo o segundo, composto por Lisa Jackson e Misan Harriman, abordado os esforços para lidar com a questão do racismo sistémico e a expansão de oportunidades para comunidades discriminadas em todo o mundo.

Misan Harriman iniciou a conversa com a sua definição de "propósito":

Não sabemos quanto tempo nos resta, mas com o tempo de que dispomos, podemos decidir o quão intencionais queremos ser.

Seguiu-se a perspetiva de Lisa Jackson:

Propósito é o motivo por que vivemos. É o que nos move.

Visões absolutamente complementares, e porque o tempo da conversa era limitado, espelhadas em alguns exemplos do envolvimento dos recursos e da tecnologia da Apple para a criação de um mundo melhor, que passarei a enumerar:

  • Southbank Centre em Londres: a primeira iniciativa em parceria com a Apple na Europa. Fruto da ligação entre os dois oradores, que teve início no seguimento da terrível morte de George Floyd, este centro tem como objetivo apoiar criativos negros no Reino Unido, promovendo desse modo a luta contra a discriminação racial. Podes ler mais sobre este centro aqui;
  • Apple Developer Academy em Detroit: resultado de uma parceria com a Universidade do Estado de Michigan, esta academia oferece a oportunidade a indivíduos com 18 mais anos para se tornarem em developers de excelência no ecossistema iOS. Podes ler mais sobre este esta academia aqui;
  • Barefoot College na Índia: forma mulheres das comunidades rurais na montagem e fabrico de lâmpadas solares, que lhes valeu o apelido de"mamãs solares". Esta iniciativa pretende aproximar as comunidades rurais à energia solar, água, educação, profissões, e engajamento dos indivíduos no sentido de assumir um maior controlo sobre as suas vidas, contribuindo desse modo para o bem estar das suas comunidades. Podes ler mais sobre esta instituição aqui.

Uma conversa curta, mas profundamente elucidativa. Para Lisa Jackson, a frase "não é o suficiente" torna-se praticamente numa espécie de mantra diário. Mulher, negra, e detentora de uma posição de topo na maior gigante tecnológica do planeta, Jackson define os parâmetros, imbuída pela doutrina da Apple, afirmando: "temos que fazer antes de falar".

Tornou-se igualmente patente que o "fazer" do século XXI implica a consubstanciação de vários conceitos, de que são exemplo a tecnologia, a arte, o ambiente, a inclusão, a justiça, a equidade e, claro, a humanidade.

Tudo isto parece muito filosófico, mas torna-se evidente: a Educação constitui o único modo através do qual se conseguem mudar mentalidades. As lutas contra o aquecimento global, contra a discriminação racial e de género e contra a desigualdade social ganham força por via do empoderamento das comunidades locais. E este poder é gerado por via do ensino.

Para além, obviamente, de bons professores, o ensino precisa de investimento e de tecnologia. E é aqui que a Apple participa de modo cada vez mais ativo, um pouco por todo o mundo. Promovendo a reflorestação, o empoderamento da mulher, a equidade entre pessoas de todas as raças, etc.

É esta, no fundo, a mensagem que Lisa Jackson deixou nesta sessão de abertura da Web Summit 2022.

Um primeiro dia impactante

Apesar de um atraso de 1h15 e de um pequeno acidente (queda de uma câmara suspensa), que felizmente não provocou feridos, este primeiro dia da Web Summit 2022 deixou bem claro, pelo menos a nível discursivo, ao que veio, e que caminho pretende desbravar.

Mais do que conversas (ou Talks, como se diz), é fundamental compreender que é cada vez mais premente a capacidade de reflexão num mundo que gira à velocidade da luz. Aliás, uma das frases mais marcantes desta sessão de abertura foi proferida por Olena Zelenska no encerramento do dia. Dirigindo-se à plateia, a Primeira Dama da Ucrânia afirmou:

Vocês têm o poder para determinar como o mundo se move.

A tecnologia pode efetivamente contribuir para a construção de um mundo melhor. Esta conferência é muito mais do que uma exposição de startups, do que um hub para criação de oportunidades de negócio, e mesmo do que uma feira de vaidades.

Este imenso universo de pessoas pode e deve contribuir para uma profunda reflexão sinérgica acerca do nosso papel enquanto produtores e consumidores de/e num constante Admirável Mundo Novo, que aqui permanecerá, sempre dinâmico e em permanente mutação, traçando o caminho das gerações vindouras.

Sim, é disto que se trata. Aliás, tal como a organização faz questão de destacar, antes de tudo começar, e até ao encerramento da última porta:

Web Summit is about its people.

Devemos um agradecimento muito especial à NordVPN pelo patrocínio da nossa cobertura na Web Summit!

Publicidade
Publicidade
Partilhar artigo