A Apple lançou hoje as atualizações do iOS e iPadOS 13.7 para o grande público. O iPadOS 13.7 introduz a correção de vários erros para o sistema mas a grande novidade está reservada para o iOS, que como vimos na sua única versão Beta, muda a forma como o sistema lida com as notificações de exposição à COVID-19.

Relembrando um pouco, a API de notificação citada acima foi resultado de uma parceria entre a Apple e Google que visava entregar aos utilizadores do iOS e Android uma forma de colaborar, de forma anónima, no combate à doença.

Isto é feito através da partilha de chaves especiais que são partilhadas via Bluetooth (ou seja, o telemóvel necessita de estar a uma curta distância do outro aparelho), onde uma pessoa diagnosticada e identificada no sistema como infetada, por exemplo, poderia apresentar riscos caso passasse um determinado tempo próximo a alguém não infetado.

Apesar da mecânica ser simples na teoria, a sua execução na prática, no entanto, era um pouco complexa – isto porque antes do iOS 13.7 era necessário que o utilizador instalasse uma aplicação extra de terceiros para poder ter acesso a estas notificações e medidas após ser exposto à COVID-19.

Tal processo acabava por inviabilizar para muitos o uso deste recurso, pois estas apps eram lançadas por autoridades de saúde de diferentes países (ou, no caso dos EUA, diferentes estados), seguindo inúmeros diferentes protocolos.

Em outras palavras, pouco importaria se o iPhone tivesse as APIs no sistema, pois só poderias utiliza-las caso tivesses instalada uma aplicação que ativasse o acesso a estas notificações (e medidas pós-exposição) no teu telemóvel.

Exposure Notifications Express

Com o iOS 13.7, toda esta confusão foi resolvida, vendo que a ativação das notificações pode ser feita agora diretamente da aplicação Definições – o processo ficou bem mais simples, e só requer alguns poucos toques, passando por termos da direção geral de saúde pública.

Utilizadores podem definir se desejam ou não receber notificações Push para saber quando as suas respetivas autoridades de saúde pública adotam o sistema expresso de notificações (Exposure Notification Express) que, uma vez ativado, inicia o monitoramento utilizando a tecnologia Bluetooth, como mencionamos acima.

Tanto Apple como Google esperam que o sistema expresso ganhe ainda mais utilizadores, sejam eles indivíduos ou autoridades de saúde pública. Aqueles que já possuem aplicações de terceiros instaladas podem continuar utilizando-as sem qualquer problema.

Segundo o 9to5Mac, as empresas afirmam que nos Estados Unidos, um dos países com o maior número de casos de COVID-19, mais de 55% da população já está a utilizar este novo sistema de notificações. Tanto a Apple como a Google reiteram o seu comprometimento com a privacidade dos utilizadores, garantindo que as notificações devem ser ativadas manualmente, e que dados de localização e identidade não são partilhados.