De que forma o digital está a transformar a nossa relação com as instituições financeiras?

Instituições financeiras no centro da revolução digital.
Escrito por Redação iFeed e
2 mins de leitura
De que forma o digital está a transformar a nossa relação com as instituições financeiras?
Photo by Thomas Lefebvre / Unsplash
Publicidade
Publicidade

Entre os muitos legados da pandemia, a digitalização dos nossos hábitos de consumo é, provavelmente, uma das que mais impacto terá a longo-prazo, especialmente no que toca ao relacionamento das pessoas com o dinheiro.

A par do aumento das compras através do canal online, durante os últimos dois anos registou-se um número crescente de pessoas que passaram a utilizar meios de pagamento que deixavam de lado as tradicionais notas e moedas, como são o caso do contactless e das carteiras virtuais.

Por exemplo, de acordo com um relatório da REDUNIQ Insights, se, em janeiro de 2020, os métodos de pagamento contactless eram responsáveis por 10% da faturação total dos negócios portugueses, em dezembro último esta percentagem alcançava já os 53%, enquanto as transações realizadas através desta tecnologia atingiam os 71%.

De igual modo, o desenvolvimento da tecnologia NFC (Near Field Communication), comunicação sem fio que permite pagamento (ou comunicação, de forma mais genérica) entre dois dispositivos próximos um do outro, acabou por originar as famosas carteiras virtuais Apple Pay ou Google Pay que se tornaram parte do dia-a-dia de muitos consumidores portugueses nos últimos anos.

Instituições financeiras no centro da revolução digital

O crescimento destes meios de pagamento “cashless” é apenas um efeito. Para encontrarmos a causa desta maior adesão temos que ir ao encontro das instituições financeiras que, já antes da pandemia, tinham iniciado o processo de digitalização dos seus serviços.

Esse é o caso do UNIBANCO, marca da UNICRE - instituição financeira de crédito, que, apesar de ter sido uma das pioneiras no atendimento ao cliente através do digital em Portugal, decidiu levar a inovação mais longe.

Para além, de como veremos mais à frente, o UNIBANCO ter disponibilizado a adesão 100% digital ao crédito pessoal imediato através do site ou da App UNIBANCO, em 2021 esta instituição financeira deu mais um passo na sua adaptação aos padrões de consumo atuais com o lançamento da Conta UNIBANCO, o primeiro produto da marca não associado a um crédito.

Na prática, esta é uma conta 100% digital que pode ser movimentada através de um cartão virtual pré-pago recarregável. Os carregamentos podem, mais uma vez, ser feitos através da App UNIBANCO, sendo que na mesma o cliente pode também gerir todos os seus movimentos, realizar pagamentos em lojas físicas ou online e transferências.

Caso estejas a pensar que a digitalização destes processos pode ser algo só acessível a experts em informática, é melhor pensares duas vezes.

Por exemplo, no caso concreto do crédito pessoal é extremamente simples e está ao alcance de qualquer um:

Através do teu Mac, iPhone ou iPad, liga-te à Internet, abre o motor de busca (Google, Yahoo, etc.) e digita as palavras “crédito pessoal imediato”.

Se tiveres digitado as palavras corretas, ser-te-ão apresentadas uma série de resultados com ofertas de crédito pessoal que os diversos bancos e instituições financeiras de crédito online presentes em Portugal te oferecem, entre as quais se encontra o UNIBANCO.

Ao escolheres o UNIBANCO vais entrar na página de crédito pessoal da instituição onde terás ao teu dispor um simulador de crédito pessoal que te permitirá realizar uma simulação, que além de te ajudar a calcular o montante mensal de cada prestação e prazos de pagamento em função do valor total de financiamento que pedires, este simulador vai fornecer-te toda a informação sobre a TAEG, a TAN e o MTIC.

Exemplos como o da instituição de crédito UNIBANCO, comprovam que a digitalização veio facilitar a adesão aos serviços financeiros, tornando inclusive os processos menos burocráticos e morosos.

Publicidade
Publicidade
Partilhar artigo